Recentemente li o livro Focus Manifesto, escrito por Leo Babauta, e venho tentando aplicar alguns princípios que aprendi com ele. O autor destaca bastante o problemas do excesso de informação da era moderna e valoriza a simplicidade e o minimalismo.

No mesmo embalo, li um artigo do mesmo autor com o título “minimal web”. Neste artigo é destacado que tudo que um leitor precisa para um boa experiência de leitura é o texto em uma fonte legível em uma página com largura otimizado pela leitura.

É muito interessante que o texto diz inclusive algo que algumas vezes os bloggers e desenvolvedores web se esquecem: a pessoa que está visitando seu site não é um cliente, assinante de feed, consumidor de propagandas, seguidor no Twitter ou Facebook. Quem visita o seu site é simplesmente alguém que quer informação e/ou entretenimento através do que você escreveu.

Sob influência deste pensamento (que achei muito válido), passei a reconsiderar o funcionamento do meu blog e da web de forma geral. Por mais que este site nunca tenha tido muita poluição visual, algumas coisas poderiam ser melhoradas. Desta forma mudei o tema para um mais minimalista, removi os comentários e os botões de redes sociais, passei a usar apenas uma fonte com um esquema de cores neutro em todo o conteúdo do blog.

Na minha humilde opinião, a geração atual de usuários da internet está tão acostumada a ser perturbado por todos os lados (além de a maioria só saber lidar com textos de 140 caracteres), que um site minimalista pode ser um diferencial, algo que o usuário vai buscar novamente, pois sabe que naquele site a experiência é satisfatória, com foco na informação que o leitor que, no momento que ele quer. O leitor valoriza poder se recostar na cadeira e apreciar o conteúdo de forma agradável, sem ser interrompido por pop-ups.

Desta forma tornam-se supérfluos vários “recursos”, mas principalmente, os botões de redes sociais e de subscrição. Se o seu conteúdo de fato agradar o leitor, vai ser natural que ele o compartilhe com amigos e familiares. Embora o impacto nas redes socias seja menor em curto prazo, é mais provável que o seu site chegue ao conhecimento de quem realmente precise do seu conteúdo. Ajudar as pessoas é mais importante do que conseguir “curtidas” no Facebook, certo?

Os bloggers também precisam para com essa mania de querer “monetizar” seus sites. Propagandas são a coisa mais irritante da internet. Você pode ganhar dinheiro com livros, palestras, softwares e outros serviços.

Penso que também é necessária uma mudança de comportamento na hora de escrever. Se gasta tanto tempo formatando o texto e descobrindo como usar as ferramentas escolhidas (Wordpress, Tumblr, Blogger etc.) que, caso você simplesmente escrevesse com papel e caneta, já daria para ter escrito um livro inteiro.

Eu me incluo parcialmente neste comportamento por estar querendo arrumar alguma coisa no design do blog ou na exibição de algum post. Entretanto faço o possível para isto não me distrair demais, além de só o usar a interface de escrita do Tumblr para publicar o post já escrito antes no Sublime Text.

Acho que vou sentir falta de algumas coisas, como os comentários, mas, como é dito no artigo do Leo Babauta, se necessário, é possível continuar a discussão de um post em outros locais (redes sociais servem para que mesmo?) e se necessário você sempre pode me contatar pelo Twitter (@fernandomhahne).