Uma das perguntas mais importantes a serem respondidas na atualidade é acerca da existência de vida fora da Terra, apesar de toda a história envolvendo o ALH84001. Mesmo a discussão envolvendo vida extraterrestre unicelular sendo complexa e polêmica o bastante, o astrofísico americano Frank Drake elaborou em 1961 uma fórmula, que ficou conhecida como equação de Drake, que nos dá uma estimativa da quantidade de planetas abrigando civilizações alienígenas na Via Láctea que a humanidade teria a possibilidade de fazer contato.

Como a maior parte dos números é especulatório, o resultado final é extremamente variável, além de ser um ótimo exercício para a imaginação. A equação é formulada da seguinte maneira:

Sendo:

  • $ R^* $ o número de estrelas que surgem por ano na Via Láctea;
  • $ f_p $ a fração de tais estrelas que possuem planetas em órbita;
  • $ n_e $ o número médio de planetas por sistema planetário que são habitáveis (com potencial para vida)
  • $ f_l $ a fração dos planetas habitáveis em que a vida surgiu;
  • $ f_i $ a fração dos planetas com vida em que surgiram formas de vida com inteligência;
  • $ f_c $ a fração dos planetas com vida inteligente em que surgiram civilizações que desenvolvem meios de se comunicar com civilizações de outros planetas e sistemas estelares (incluindo ondas de rádio e contatos imediatos) e
  • $ L $ o número de anos que tais civilizações mantem a capacidade de se comunicar com civilizações de outros planetas e sistemas estelares.

Como a equação de Drake inclui números meramente especulativos é possível alcançar um grande número de resultados. Eu fiz os cálculos usando as seguintes estimativas:

  • $ R^* \approx 7 $
  • $ f_p \approx 0,5 $
  • $ n_e \approx 2 $
  • $ f_l \approx 0,5 $
  • $ f_i \approx 0,1 $
  • $ f_c \approx 0,1 $
  • $ L \approx 10000 $

Isso implica na existência de cerca de 350 planetas na Via Láctea com civilizações capazes de se comunicar umas com as outras, incluindo a Terra.

Implicações

A equação de Drake coloca frente à frente duas hipóteses contraditórias da astronomia: a Hipótese da Terra Rara, que defende que a vida multicelular na Terra requereu uma combinação estatísticamente improvável de circunstâncias astrofísicas e geológicas, e o Princípio da Mediocridade, que defende que a Terra é apenas um típico planeta rochoso num típico sistema planetário, localizado em uma típica região de uma grande, mas típica, galáxia espiral.

A equação de Drake pode ser usada para fornecer dados para o Paradoxo de Fermi, também chamado de “Grande Silêncio” ou questão de Fermi (“onde eles estão?”), que é o nome dado à contradição entre a alta probalidade de existerem civilizações alienígenas altamente avançadas e a aparente falta de evidências de sua existência. Entretanto, o próprio Frank Drake afirmou que a sua equação não é uma maneira de resolver o Paradoxo de Fermi, mas apenas de “organizar a ignorância” no assunto

Desta forma é necessário apontar que a Equação de Drake fornece dados apenas especulativos, sem uma validaçào científica mais ampla e desconsidera fatores como a possibilidade de uma civilização se expandir para além de sua galáxia de origem. Portanto, a pergunta permanece: estamos sozinhos no Universo?